Corrupção no Futebol Angolano : FAF entrega Mosquito à CAF
A Federação Angolana de Futebol (FAF) irá reportar à Confederação Africana de Futebol (CAF), o acto assumido por Horácio Mosquito em declarações públicas, de alegada corrupção nas afrotaças, segundo avançou ao Jornal dos Desportos (Cardoso de Lima), secretário geral da Federação. Segundo o mesmo, "O presidente...

Corrupção no Futebol Angolano : FAF entrega Mosquito à CAF

Corrupção no Futebol Angolano · Federação Angolana de Futebol · Girabola

A Federação Angolana de Futebol (FAF) irá reportar à Confederação Africana de Futebol (CAF), o acto assumido por Horácio Mosquito em declarações públicas, de alegada corrupção nas afrotaças, segundo avançou ao Jornal dos Desportos (Cardoso de Lima), secretário geral da Federação. Segundo o mesmo, "O presidente do Caála tem de provar-nos a quem ele pagou e em que jogos internacionais isso aconteceu [...] Não queremos ir por esse caminho, mas se as coisas forem feitas como ele diz ter acontecido, então vamos ser obrigados a comunicar a CAF de que existem pessoas, que receberam dinheiro do presidente do Caála".

Para o dirigente, que se confessou surpreendido pelas declarações do agora ex-presidente do Clube Recreativo da Caála (CRC), nas quais denunciou a existência de alegados casos de corrupção no futebol em Angola, sobre os quais deu entrada uma queixa na Procuradoria Geral de República. Passamos a citar as declarações de Horácio Mosquito "Eu também já paguei árbitros internacionais lá fora, e mesmo pagando eu era roubado na mesma, porque alguém pagava mais do que eu".

O dirigente federativo ainda advertiu Horácio Mosquito de que "Quando acusamos, devemos ter o cuidado de falar em local apropriado para o efeito". Horácio Mosquito foi também já punido com pena suspensão de 30 dias pela FAF, alegadamente por declarações proferidas no final de uma partida. Pouco depois, o dirigente anunciou a demissão da presidência do CRC, de forma a que o processo não interfira na gestão do clube.

Quanto às acusações de corrupção que, segundo Horácio Mosquito, envolveriam inclusive funcionários da própria FAF, e que foram proferidas na mesma conferência de imprensa, essas parecem não seguir o mesmo rumo e ter tratamento semelhante por parte da FAF. De qualquer modo, serão "averiguadas" pela FAF, segundo palavras do mesmo "O que o Horácio Mosquito nos apresentar como prova vai ser levado à sério na hora de tomarmos medidas. Temos sanções para os prevaricadores, se não pudermos resolver todas as questões que ele nos apresentar, então vamos recorrer às instituições dos Ministérios da Justiça e do Interior com as quais temos estreita parceria, para nos ajudar a resolver esta questão".